Categoria : NOTÍCIAS

Home/Categoria "NOTÍCIAS" (Page 6)
proposta-aumenta-penalidade-para-condutores-nao-autorizados-de-transporte-escolar

Proposta aumenta penalidade para condutores não autorizados de transporte escolar

Proposta aumenta penalidade para condutores não autorizados de transporte escolar

 

Dirigir veículo de condução escolar sem autorização para este tipo de transporte poderá ser classificado como infração gravíssima. O aumento da penalidade está previsto no Projeto de Lei da Câmara (PLC) 109/2017, que aguarda a designação de relator na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). O projeto também torna mais rígida a punição para quem fizer transporte remunerado de pessoas ou bens sem possuir licença para tal.

A proposta, que altera o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/1997), converte de infração grave para gravíssima a realização de transporte escolar não autorizado. Já o chamado transporte pirata passará de média para também gravíssima. As multas desta natureza implicam perda de sete pontos na carteira de habilitação. As duas infrações também estarão sujeitas a medida administrativa de remoção do veículo.

De acordo com o autor do projeto, deputado Daniel Coelho (PPS-PE), as punições vigentes para tais práticas não abrangem “a devida proporção com a gravidade dessas condutas”.

Substitutivo

O texto em análise no Senado é o substitutivo aprovado na Comissão de Viação e Transportes (CVT) da Câmara. A proposta original permitia que as conduções escolares dispusessem de livre parada e estacionamento em vias públicas para a prestação do serviço de transporte. Essa permissão, contudo, foi retirada pelo relator na CVT, deputado João Paulo Papa (PSDB-SP). Ele defende que a medida aumentaria o risco das operações de embarque e desembarque dos estudantes, que poderiam ser realizadas em locais não apropriados para tal fim.

“Além do evidente prejuízo à fluidez do tráfego nesses locais, a própria integridade dos alunos estaria ameaçada”, observou o deputado em seu relatório.

Além da CCJ, o projeto também deverá ser votado no Plenário do Senado. Caso aprovado sem alterações, seguirá para sanção presidencial. Se for modificada, a proposta retornará para análise da Câmara dos Deputados.

Com informações da Agência Senado

Fonte: Portal do Trânsito

brasil-precisa-percorrer-longo-caminho-para-alcancar-meta-da-decada-mundial-de-acoes-para-a-seguranca-viaria

Brasil precisa percorrer longo caminho para alcançar meta da Década Mundial de Ações para a Segurança Viária

Brasil precisa percorrer longo caminho para alcançar meta da Década Mundial de Ações para a Segurança Viária

 

De acordo com a ONSV, a formação dos condutores é fundamental para mudar a realidade brasileira

 

O período de 2011 a 2020 foi definido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como a Década Mundial de Ações para a Segurança Viária, com o objetivo de reduzir em 5 milhões o número de mortes no trânsito – o que representa 50% da projeção do número de óbitos causados por sinistros no mundo para 2020. A Perkons entrou em contato com a Organização Nacional da Segurança Viária (ONSV) para saber como está o Brasil no cumprimento da meta.

Dados oficiais apontam que em 2015 houve uma diminuição no número de mortes no trânsito de aproximadamente 12% em relação a 2014. Apesar do dado otimista, o país ainda tem bastante trabalho pela frente para garantir a continuidade da redução nos próximos anos e conseguir cumprir a meta da década, que já está no seu último triênio.

“O Brasil já evoluiu bastante por conta das diversas ações realizadas em todo o país, visando conscientizar os motoristas. No entanto, há fatores prejudiciais ao cumprimento da meta estabelecida pela ONU, como a falta de compromisso de gestores públicos, da iniciativa privada e, acima de tudo, da própria sociedade, que precisa compreender que seu comportamento individual afeta o coletivo. Se o assunto for realmente levado a sério nessas três esferas, entraremos no rumo certo para tornar o trânsito brasileiro mais seguro, ético e cidadão”, diz José Aurélio Ramalho, diretor-presidente da ONSV.

Para a entidade, a formação dos condutores é um dos caminhos que precisam ser percorridos pelo Brasil para melhorar as estatísticas e reduzir os números de vítimas no trânsito. “O principal desafio é implementarmos uma nova forma de habilitar os condutores, com foco na percepção de risco e atitudes preventivas. Atualmente, a formação é efetuada com base em decorar placas, sendo que mais importante do que saber o nome da placa, por exemplo “curva sinuosa”, é saber a atitude que o motorista deve tomar ao ver esta placa. Os acidentes não ocorrem ao acaso, mas sim, são provocados por atitudes impensadas e inseguras. Saber que atitude tomar frente ao perigo pode evitar acidentes e salvar vidas”, argumenta Ramalho.

Ramalho acrescenta ainda que uma mudança positiva observada pela ONSV é a utilização dos simuladores para a formação de condutores. Uma das vantagens da ferramenta é mostrar os desafios do trânsito sem colocar os aprendizes em risco. “Entendemos que, com o uso dos simuladores, o aluno estará mais preparado para dirigir nas vias, impactando na redução de acidentes. O instrutor poderá, por exemplo, reproduzir um período chuvoso, com neblina, com excesso de veículos ou pedestres, dentre outros”, comenta.

A ONSV abraçou a causa e trabalha há três anos na proposição de uma revisão na formação dos condutores. “Envolvemos o Denatran, Detrans,  Cetrans, instrutores, entre outros, na intenção de formar condutores mais atentos aos fatores de risco, com mais consciência dos perigos que o trânsito pode representar”, complementa Ramalho.

Educação no trânsito começa na escola

Na opinião do diretor-presidente da ONSV, a falta da educação de trânsito nas escolas, como matéria curricular e que instrui para o respeito às leis, reflete no cotidiano brasileiro. “Se os mais jovens forem educados para dirigir com cuidado, no futuro, os condutores serão mais conscientes”, aponta José Aurélio Ramalho.

Eduardo Biavati, mestre em sociologia e consultor em educação para segurança no trânsito, acredita que faltou sensibilizar o Ministério da Educação (MEC) e o Conselho Nacional de Educação (CNE) sobre a importância do tema.

“Não houve quem fizesse esse papel, de inserir o trânsito como pauta no dia a dia das escolas”, salienta.

Rigor na fiscalização

Fiscalização e penalização também são apontadas pela ONSV como peças-chave para a diminuição no número de acidentes. Para a instituição, as penas para quem comete infrações no Brasil são cada vez mais rígidas e adequadas. No entanto, a fiscalização ainda é insuficiente.

Para se ter uma ideia, de acordo com a assessoria de imprensa da ONSV, pesquisas da entidade mostram que, para cada infração de trânsito registrada, ocorreram 11,8 mil infrações não registradas. O índice demonstra que é necessário aprimorar o sistema de fiscalização brasileiro. “A presença do Estado nas vias, ou seja, a fiscalização de forma ostensiva, certamente fará com que ocorra uma sensível redução no número de acidentes de trânsito. Além disso, estabelecer ações e metas, como sugere a lei nº 13.614, que institui o Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito (PNATRANS), é necessário e urgente. Temos que ter diretrizes objetivas para os próximos 20 anos, principalmente focadas na conscientização e, consequentemente, na mudança de comportamento da sociedade”, conclui Ramalho.

Segundo Eduardo Biavati, a fiscalização é a principal estratégia para reduzir os sinistros, principalmente em relação aos fatores críticos que mais causam acidentes com vítimas, como excesso de velocidade, uso de álcool e falta de cinto de segurança e capacete. Para ele, a fiscalização esbarra ainda na questão orçamentária.

“Fiscalizar custa caro e falta verba e recursos humanos para o Denatran. Não podemos dizer que nada foi feito durante a Década Mundial, mas ainda temos um desafio grande pela frente. Faltou um plano nacional, além de ações coordenadas, como aconteceu na nossa vizinha Argentina, por exemplo”, finaliza.

As informações são da Assessoria de Imprensa

Fonte: Portal do Trânsito

lei-da-cadeirinha-saiba-tudo-sobre-essa-importante-regra-de-seguranca-no-transito

Lei da cadeirinha: saiba tudo sobre essa importante regra de segurança no trânsito

Lei da cadeirinha: saiba tudo sobre essa importante regra de segurança no trânsito

 

A “Lei da Cadeirinha” – como ficou conhecida a Resolução 277 do Contran (Conselho Nacional de Trânsito) – está em vigor no Brasil desde 2008. Essa norma dispões sobre as regras para o transporte seguro de crianças menores de dez anos de idade em veículos.

Apesar de existir há 10 anos, muitos pais, familiares e responsáveis por crianças ainda têm dúvidas sobre essa legislação e o uso dos equipamentos de segurança adequado a cada faixa etária. Se você ainda não está totalmente por dentro do que diz a Resolução, fique tranquilo. Neste artigo iremos esclarecer os principais pontos dessa lei.

O que diz a Lei da Cadeirinha?

A Resolução 277 do Contran determina que as crianças menores de dez anos devem ser sempre transportadas nos bancos traseiros dos veículos usando individualmente cinto de segurança. Até os sete anos e meio, elas devem utilizar o equipamento de retenção adequado (bebê conforto, cadeirinha ou assento de elevação). Confira o dispositivo indicado para cada faixa etária:

Até um ano: bebê conforto;

De um a quatro anos: cadeirinha;

De quatro a sete e meio anos: assento de elevação;

De sete e meio a dez anos: cinto de segurança no banco traseiro;

Após dez anos: já pode ser transportada no banco dianteiro, sempre com cinto de segurança.

Esses dispositivos são projetados para reduzir o risco de morte ou lesão grave para as crianças em casos de colisão ou de freada brusca do veículo.

Quando utilizados corretamente e bem instalados, esses equipamentos reduzem em até 71% os riscos de morte em caso de acidente.

Sanções

Os motoristas que forem flagrados transportando crianças sem respeitar essas condições podem ser multados (a infração é classificada como gravíssima) e ter o veículo apreendido até que a irregularidade seja corrigida.

Exceções

As exigências relativas ao uso dos dispositivos de retenção no transporte de crianças não se aplicam aos veículos de transporte coletivo (como ônibus), transporte escolar, veículos de aluguel, táxis e aos demais veículos com peso bruto total acima de 3,5 toneladas.

Em veículos que só possuem o banco dianteiro ou nos casos nos quais o número de crianças com menos de dez anos a serem transportadas seja maior do que a capacidade de lotação do banco traseiro, será admitido que aquela com maior estatura utilize o banco dianteiro, utilizando o cinto de segurança ou o dispositivo de retenção adequado à sua idade, peso e altura.

Dados sobre acidentes

trânsito é a principal causa de morte acidental de crianças de zero a 14 anos no Brasil. Todos os dias, cerca de 3 crianças dessa faixa etária morrem em decorrência de acidentes nesse ambiente, isso representa mais de 1.200 vidas perdidas todos os anos, de acordo com dados do Ministério da Saúde.

A maioria desses casos (36%) acontecem com meninas e meninas em condição de passageiras de veículos.

O uso dos dispositivos de retenção veicular é a única forma de garantir a segurança infantil em automóveis. Esses equipamentos, além de serem obrigatórios no transporte de meninas e meninos, são essenciais para evitar que mais crianças morram ou fiquem gravemente feridas devido a acidentes de trânsito.

Por isso, pais, familiares e responsáveis não devem abrir mão do uso do bebê conforto, cadeirinha, assento de elevação e cinto de segurança em hipótese alguma – seja em uma viagem longa ou em um passeio rápido. Essa atitude salva vidas.

As informações são da ONG Criança Segura

Fonte: Portal do Trânsito

tres-mps-da-greve-dos-caminhoneiros-viram-lei

Três MPs da greve dos caminhoneiros viram lei

Três MPs da greve dos caminhoneiros viram lei

 

Foram transformadas em lei três medidas provisórias decorrentes das negociações para o fim da greve dos caminhoneiros ocorrida no final de maio. As leis foram publicadas na segunda-feira (27) no Diário Oficial da União. Uma delas, referente à indenização pelo trabalho em período de folga de policiais rodoviários federais, teve um ponto vetado.

Pedágio

Lei 13.711, de 2018, decorrente da MP 833/2018, garante isenção de pedágio em todo o território nacional para o eixo suspenso dos caminhões que viajem sem carga. Os caminhões que passarem pelas praças de pedágio com um ou mais eixos suspensos serão considerados descarregados e terão direito à isenção. A regra já era prevista na Lei 13.103, de 2015, que rege o exercício da profissão de motorista, mas era aplicada apenas às rodovias federais. Com o novo texto, ela passa a valer também para as vias estaduais, distritais e municipais.

As autoridades de trânsito de cada unidade da federação devem se encarregar de regulamentar a fiscalização dos veículos que fizerem jus à isenção. Caminhões carregados que suspenderem indevidamente os seus eixos adicionais poderão ser enquadrados na infração de evasão de pedágio, que é considerada grave pelo Código de Trânsito Brasileiro.

O relator da medida provisória no Congresso foi o senador José Agripino (DEM-RN). Ele acrescentou ao texto uma regra restringindo o aumento do pedágio para os demais usuários como forma de compensar a isenção aos caminhões, nos casos de rodovias concedidas. Será preciso, primeiro, esgotar todas as opções de reequilíbrio financeiro dos contratos. Somente depois disso é que será possível subir os preços.

Frete pela Conab

Também foi sancionada a Lei 13.713, de 2018, decorrente do Projeto de Lei de Conversão (PLV) da MP 831/2018, que reserva um mínimo de 30% do frete contratado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para cooperativas e associações de transportadores autônomos.

A Conab utiliza as transportadoras para movimentar grãos pelo país e garantir o abastecimento de todas as regiões. Os serviços de transporte são contratados por leilão eletrônico.

A nova lei também possibilita aos transportadores serem contratados sem licitação. O preço do frete não poderá exceder o praticado pela Conab. Além disso, o contratado deve atender aos requisitos estabelecidos pela companhia, que é vinculada ao Ministério da Agricultura.

Policial Rodoviário Federal

Já a Lei 13.712, de 2018, originada na MP 837/2018, determina o pagamento de indenização para o policial rodoviário federal que trabalha no período de folga. O texto estabelece dois valores: R$ 420 para 6 horas de jornada adicional e R$ 900 para 12 horas.

De acordo com o texto, o policial pode ser convocado para trabalhar no período de folga em situações relevantes, complexas ou emergenciais que exijam significativa mobilização do efetivo.

A despesa prevista é de R$ 16,8 milhões em 2018 e de R$ 28,8 milhões em 2019 e em 2020. Segundo o Poder Executivo, os valores foram remanejados do orçamento da própria Polícia Rodoviária Federal (PRF), em rubricas relacionadas a viagens em serviço. Por isso, a indenização não pode ser paga cumulativamente com diárias ou compensações por atividades de campo. Se ocorrer a cumulatividade, o servidor recebe a verba de maior valor.

O texto ainda isenta a indenização da cobrança de Imposto de Renda e contribuição previdenciária. Mas o valor não é incorporado ao subsídio do policial e não pode ser usado como base de cálculo para outras vantagens, como aposentadoria ou pensão por morte.

Veto a reajuste por decreto

Foi vetado um ponto incluído pelo relator da MP 837, senador José Medeiros (Pode-MT). O dispositivo previa a atualização dos valores da indenização por meio de decreto.

O veto foi recomendado pelos Ministérios da Justiça e da Fazenda, que alegaram inconstitucionalidade formal, pois o mecanismo cria a obrigação de emissão de decreto, que é matéria de iniciativa privativa do presidente da República.

Com informações da Agência Câmara e Agência Senado

Fonte: Portal do Trânsito

preco-medio-do-diesel-e-da-gasolina-nas-bombas-terminam-a-semana-em-alta-diz-anp

Preço médio do diesel e da gasolina nas bombas terminam a semana em alta, diz ANP

Preço médio do diesel e da gasolina nas bombas terminam a semana em alta, diz ANP

 

Na semana, Petrobras aumentou gasolina para valor recorde nas refinarias e reajustou o diesel em 13%; valor do etanol para o consumidor também subiu, depois de 11 semanas seguidas de queda.

 

Os preços da gasolina e do diesel para o consumidor final subiram nesta semana, e o do etanol voltou a avançar depois de 11 semanas seguidas de queda. É o que apontam dados divulgados nesta sexta-feira (31) pela Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP).

Segundo a ANP, o preço médio da gasolina nas bombas terminou a semana em R$ 4,446, o que representa um aumento de 0,38% na comparação com os sete dias anteriores. Foi a primeira alta depois de 5 quedas seguidas.

O valor representa uma média calculada pela ANP e, portanto, pode variar de acordo com a região.

No ano, o preço médio da gasolina já acumula alta de 8,5% – bem acima da inflação de 4,17% esperada para 2018.

Na mesma semana, a Petrobras aumentou o preço da gasolina das refinarias em R$ 0,12, o que equivale a mais de 5%, aproximadamente. O repasse ou não para o consumidor final depende dos postos.

O preço da gasolina nas refinarias bateu a marca de R$ 2,1704 por litro, um novo recorde. O aumento segue a política de preços da Petrobras, que reajusta os valores nas refinarias quase diariamente com o objetivo de acompanhar as cotações internacionais. A variação é influenciada pela variação cambial e pelos preços do petróleo.

Diesel

O diesel terminou a semana em alta de 0,05%, vendido a R$ 3,373 por litro, em média. Da mesma forma que a gasolina, o valor representa uma média calculada pela ANP, e pode variar de acordo com a região pesquisada. No ano, o preço do diesel acumula alta de 1,4%.

Nesta semana, terminou o prazo de congelamento do preço do diesel nas refinarias acertado pela Petrobras em acordo para terminar a greve dos caminhoneiros em maio. Com isso, o valor do combustível nas refinarias sofreu uma alta de 13% nesta sexta, para R$ 2,2964 por litro.

Os novos preços entram em vigor já nesta sexta-feira 31/08 e devem acabar impactando no valor pago pelos consumidores nas bombas. O repasse do reajuste para o preço final, entretanto, vai depender dos postos.

O preço do diesel foi alvo de protestos que culminaram na greve de 21 dias feita pelos caminhoneiros em maio. Desde a véspera dos protestos, o valor médio do diesel calculado pela ANP caiu 6%, ou cerca de R$ 0,22. O valor previsto pelo acordo entre o governo e os caminhoneiros para encerrar a paralisação foi de recuo de R$ 0,46.

Alta do etanol

O preço médio do etanol nas bombas medido pela ANP subiu depois de 11 semanas em queda. O valor passou para R$ 2,626, o que representa uma alta de 0,2% sobre a semana anterior.

Da mesma forma que ocorre com a gasolina e o diesel, o valor representa uma média calculada pela ANP e pode variar de acordo com o lugar pesquisado.

Apesar da alta desta semana, no ano o valor do etanol nas bombas acumula queda de 9,8%.

A ANP também monitora os preços do gás de cozinha, que nesta semana subiram 0,3%, para R$ 68,39 em média. No ano, o valor acumula alta de 1,45%.

Fonte: G1

venda-de-veiculos-novos-sobe-148-em-agosto-diz-fenabrave

Venda de veículos novos sobe 14,8% em agosto, diz Fenabrave

Venda de veículos novos sobe 14,8% em agosto, diz Fenabrave

 

Foram emplacadas 248.638 unidades, contra 216.520 no mesmo mês do ano passado.

 

A venda de veículos novos subiu 14,8% em agosto, sobre o mesmo período de 2017. Os dados são da Fenabrave, a associação das concessionárias. No mês, foram emplacadas 248.638 unidades, contra 216.520 no mesmo mês do ano passado.

O número também é 14,3% superior aos 208.531 veículos vendidos em julho.

No acumulado do ano, foram vendidos 1.632.761 veículos, contra 1.420.528 dos oito primeiros meses de 2017. Isso significa uma alta de 14,9%.

Dividindo os números por segmentos, os automóveis representam a maior fatia, com 203.926 unidades. Os comerciais leves ficam com os 35.319 restantes.

Motos, caminhões e ônibus

Em outros segmentos, também houve alta nas vendas.

Entre as motos, os emplacamentos aumentaram 16,5% em agosto, com 88.936 unidades, contra 76.364 no mesmo mês de 2017.

A alta na venda de caminhões foi ainda maior, de 54,3% em agosto, ante o mesmo período do ano passado. Foram 7.439 exemplares, contra 4.821.

Nos ônibus, o crescimento foi mais discreto. Com 1.954 unidades, a alta foi de 6% diante dos 1.844 ônibus emplacados em agosto do ano passado.

Entre as marcas

Em agosto, a Fiat superou a Volkswagen por 140 veículos, e foi a vice-líder do mercado brasileiro, com 34.426 unidades. A fabricante italiana ficou atrás apenas da Chevrolet, que comercializou 41.593 automóveis e comerciais leves.

Outra disputa acirrada em agosto foi no pelotão intermediário. Ford (4ª colocada), Renault (5ª) e Hyundai (6ª), ficaram separadas por menos de 300 unidades.

A marca americana emplacou 20.991 veículos, seguida pelos franceses, com 20.940 e pelos coreanos, com 20.700.

No acumulado do ano, a liderança é da Chevrolet, com 17% de participação do mercado. Depois, aparece a Volkswagen, com 14,7%, seguida por Fiat (13,3%), Ford (9,4%), Hyundai (8,6%), Renault (8,5%), Toyota (8%), Honda (5,5%), Jeep (4,4%) e Nissan (4,1%).

Fonte: G1

Concurso-Detran-Sao-Paulo-2015

Fiscalização da Lei Seca do Detran.SP autua 98 motoristas em nove cidades no fim de semana

Fiscalização da Lei Seca do Detran.SP autua 98 motoristas em nove cidades no fim de semana

 

Fiscalização foi realizada entre a noite de sexta (31/8) e a madrugada deste domingo (2/9); ao todo, 2.390 veículos foram fiscalizados

 

A fiscalização da Lei Seca, coordenada pelo Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP), autuou 98 pessoas em operações realizadas durante a noite de sexta (31/8) e a madrugada deste domingo (1/9), em nove cidades paulistas. Ao todo, foram fiscalizados 2.390 veículos durante blitze realizadas nos municípios de: Guaratinguetá, Guarujá, José Bonifácio, Lorena, Mogi Mirim, Ribeirão Preto, Santo André, Sertãozinho e capital (zona oeste).

Os condutores foram autuados por embriaguez ao volante ou recusa ao teste do etilômetro e terão de pagar multa no valor de R$ 2.934,70, além de responderem a processo administrativo no Detran.SP para a suspensão do direito de dirigir por 12 meses.

Seis dos condutores autuados, além das penalidades, também responderão na Justiça por crime de trânsito porque apresentaram índice a partir de 0,34 miligramas de álcool por litro de ar expelido no teste do etilômetro. Se condenados, poderão cumprir de seis meses a três anos de prisão, conforme prevê a Lei Seca, também conhecida como “tolerância zero”.

Pela Lei Seca (lei 12.760/2012), todos os motoristas flagrados em fiscalizações têm direito a ampla defesa, até que a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) seja efetivamente suspensa. Se o condutor voltar a cometer a mesma infração dentro de 12 meses, o valor da multa será dobrado.

Fonte: Detran.SP

proposta-torna-mais-clara-definicao-de-motorista-profissional

Proposta torna mais clara definição de motorista profissional

Proposta torna mais clara definição de motorista profissional

 

Um projeto que altera a definição de motorista profissional está pronto para ser votado na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). De autoria do senador Acir Gurgacz (PDT-RO), o texto altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) para deixar explícito que o motorista de transporte coletivo também deve ser incluído na definição jurídica de motorista profissional. O objetivo, argumenta o senador, é diminuir a insegurança jurídica nas relações de trabalho do transporte urbano.

O Projeto de Lei do Senado (PLS) 498/2017 inclui como motorista profissional empregado os condutores de transporte rodoviário coletivo de passageiros, privado ou público, em linhas permanentes e de itinerário fixo, municipal, intermunicipal em região metropolitana ou fora dela, interestadual e internacional.

Segundo Gurgacz, a legislação atual deixa brechas que têm levado o Judiciário a excluir esses profissionais da proteção legal da Lei dos Motoristas (Lei 13.103, de 2015). O Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, que engloba Minas Gerais, por exemplo, proferiu decisões afastando a aplicabilidade dessa lei nas ações trabalhistas que envolvem motoristas profissionais empregados nas empresas operadoras de transporte público coletivo urbano e de característica urbana do estado.

Com a modificação, a proposta torna aplicável, aos motoristas urbanos de linhas permanentes e itinerários fixos, normas que exigem o respeito à legislação de trânsito e às normas relativas ao tempo de direção e de descanso. Sendo assim, os motoristas deverão se submeter a exames toxicológicos, com janela de detecção mínima de 90 dias, e a programas de controle de uso de droga e de bebida alcoólica, instituídos pelo empregador.

O relator, Otto Alencar (PSD-BA), é favorável ao projeto. Para o senador, não há motivos relevantes para o tratamento diferenciado entre profissionais do volante, levando-se em consideração apenas a amplitude do espaço de realização do trabalho.

“Em alguns casos, inclusive, o risco e o estresse do trabalho na esfera urbana podem ser até maiores do que aqueles enfrentados em rodovias bem administradas, sinalizadas e controladas”, justifica Otto em seu relatório.

As informações são da Agência Senado

Fonte: Portal do Trânsito

pedestres-tem-parte-da-culpa-em-acidentes-com-autonomos

Pedestres têm parte da culpa em acidentes com autônomos

Pedestres têm parte da culpa em acidentes com autônomos

 

Pesquisador da área diz que ser humano precisará se adaptar a funcionamento de carros autônomos

 

Embora a tecnologia de carros autônomos esteja bem avançada, alguns acidentes já ocorreram, até mesmo com mortes envolvidas. Mas estudiosos e engenheiros que trabalham no desenvolvimento de autônomos acreditam que parte da culpa está nos pedestres envolvidos em acidentes. Segundo eles, a imprevisibilidade do comportamento humano é um fator problemático. Isso ocorre porque a tecnologia funciona com base na lógica.

As afirmativas são do pesquisador de inteligência artificial Andrew Ng. Segundo ele, os humanos teriam que adaptar seu comportamento para evitar “choques culturais” com os autônomos. Além disso, também afirma que o processo de adaptação do homem às máquinas autônomas deve ser parecido com o de outras tecnologias mais antigas. Ng diz que como o ser humano aprendeu a não ficar parado em linhas de trem, também deve ser capaz de entender o funcionamento do carro autônomo.

Polêmica

Ng criou polêmica no setor. Uma das premissas da inteligência artificial é se adaptar às necessidades do ser humano. Isso deve ocorrer sem que o contrário seja necessário.

Por isso, o simples fato de os carros autônomos de hoje ainda não serem capazes de lidar com os humanos evidencia ainda mais o quanto precisa ser evoluído. De acordo com o professor da Universidade de Nova York Gary Marcus, a inteligência artificial necessária para que os autônomos funcionem bem ainda não foi desenvolvida. Ainda haveria um longo caminho para a tecnologia ser totalmente segura.

O acadêmico afirma ainda que no estágio atual, seria necessário isolar o trânsito de carros autônomos dos pedestres. “Como o feito com trens”, disse Marcus em entrevista à agência Autonews.

freio-abs-esta-completando-40-anos

Freio ABS está completando 40 anos

Freio ABS está completando 40 anos

 

O sistema antitravamento de freios (ABS) foi apresentado pela Mercedes-Benz e pela Bosch entre os dias 22 e 25 de agosto de 1978

 

freio ABS é um quarentão. O sistema que impede o travamento de rodas durante a frenagem foi apresentado pela primeira vez em um evento realizado entre os dias 22 e 25 de agosto de 1978, pela Mercedes-Benz e Bosch.

Na época, as duas empresas alemãs explicaram didaticamente o princípio de funcionamento do dispositivo, batizado com as iniciais de anti-lock braking system.

Sem ABS, manter a dirigibilidade em caso de frenagem de emergência (ocasião em que se emprega pressão total no pedal de freio) era uma tarefa muito difícil, especialmente sobre superfícies escorregadias.

ABS na teoria

Voltando ao evento daquele final de agosto longínquo, a brochura distribuída pela Mercedes relatava o seguinte: “O sistema antitravamento utiliza um computador que monitora mudanças na velocidade de rotação de cada roda durante a frenagem. Se a velocidade de rotação diminui muito rapidamente (como no caso de frenagem sobre piso escorregadio) e a roda corre o risco de travar, o computador automaticamente reduz a pressão hidráulica de frenagem. Assim, a roda volta a acelerar e a pressão aumenta novamente. Esse processo é repetido inúmeras vezes numa questão de segundos”.

E continuava: “Embora pareça complicado, na prática o ABS é simples. Mesmo sobre a mais escorregadia superfície, o sistema permite ao carro não apenas parar com a máxima pressão de frenagem sem travamento de rodas, mas também possibilita ao motorista manter a trajetória do veículo mesmo esterçando o volante”.

ABS na prática

No evento, além das explicações teóricas, o dispositivo foi testado na prática. Dois Mercedes andaram lado a lado sobre piso molhado, um com ABS e outro sem a novidade. Ao se aproximar de uma barreira, os dois frearam e tentaram desviar. O carro equipado com ABS obedeceu aos comandos de esterçamento do motorista e contornou os obstáculos, enquanto o modelo sem o sistema continuou na mesma trajetória apesar das rodas viradas, como pode ser visto na foto. Como resultado, o carro acertou os obstáculos.

O primeiro modelo feito em série a receber a novidade foi o Mercedes Classe S, no final do mesmo ano.

Dois anos depois, o dispositivo passou a ser oferecido como opcional em toda linha de automóveis da marca. Desde outubro de 1992, todos os automóveis da Mercedes têm ABS de série.

No Brasil, o sistema passou a ser obrigatório a partir de 2014.

Fonte: Jornal do Carro